segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

A SITUAÇÃO DO PLANETÁRIO "CIRCUS STELLARIUM" DA UEM

Há três anos encontra-se fechado o planetário "Circus Stellarium" da UEM, projeto financiado pelo CNPq e coordenado por mim desde 2005. Por quase dez anos o planetário recebeu cerca de dez mil estudantes, entre alunos e professores da rede municipal e estadual e do ensino superior, além do público em geral e de uma turma da corporação dos Bombeiros que realizou um curso de orientação espacial por meio de referenciais astronômicos noturnos. Os recursos do Projeto original permitiram a compra de um projetor cilindrico e da construção de uma estrutura fixa em forma de circo (daí seu nome). Por longos 10 anos, e passando por três diferentes reitorias, trabalhei incansavelmente para que fosse construído um prédio definitivo que abrigasse com segurança os aparelhos (o projetor em si e o sistema de projeção auxiliar e de áudio). Trabalhando em conjunto com a Prefeitura do campus da UEM, foi realizado um projeto arquitetônico jamais executado. Dia 11 deste mês num ato de vandalismo, a lona mais externa da cúpula foi arrancada (não foi fenômeno meteorológico – vendaval – porque não havia um galho de árvore derrubado), iniciando a trágica derrocada de uma grande ideia que não mereceu da Universidade Estadual de Maringá a mínima preocupação e honradez. Pior: num outro edital do CNPq consegui adquirir um novo projetor de valor superior a cem mil reais. No entanto, sem condições de abrigá-lo, encontra-se até hoje encaixotado, enferrujando um patrimônio que deveria ser da UEM, da cidade de Maringá e região, do povo. A reitoria atual da UEM sabe os pormenores dessa história toda e onde encontra-se custodiado o caríssimo equipamento. Entretanto, prefere adotar a política do nada fazer pois aposta no esquecimento da população. Tristes trópicos! Mais um patrimônio público negligenciado pelas suas autoridades ... (nos próximos posts editarei os momentos áureos do Planetário e o projeto arquitetônico que a UEM negligencia há mais de uma década...).

Nenhum comentário:

Postar um comentário